Comitê Municipal de Combate ao Aedes aegypti apresenta ações em Oeiras

Ações de combate ao mosquito transmissor da dengue, zika e chikunguya foram discutidas nesta quinta-feira, 20, em uma reunião do Comitê Municipal Intersetorial de Combate ao Aedes aegypti, na sede do Conselho Municipal de Saúde de Oeiras. O encontro faz parte da estratégia da Secretaria Municipal de Saúde (Semusa) para o combate permanente do mosquito.

O Comitê Municipal Intersetorial de Combate ao Aedes aegypti foi instituído em junho de 2016, junto com a Sala Municipal de Coordenação e Controle para enfrentamento da dengue, chikungunya e zika, visando gerenciar e monitorar a intensificação das ações de mobilização e combate ao Aedes aegypti. Outro objetivo do Comitê e da Sala é sensibilizar a população para o risco destas doenças em Oeiras, por meio da adoção de programas educativos e mobilização da sociedade civil, além da eliminação de potenciais criadouros do mosquito no município.

Desde fevereiro, a Semusa promove mutirões de combate ao mosquito, em diversos bairros da cidade. Por meio de uma parceria com o Ministério da Saúde, o município realiza a distribuição de repelentes a mulheres gestantes, como incremento das ações de combate ao mosquito. Nas escolas municipais, são promovidas, através do projeto Educanvisa, palestras e eventos de conscientização dos estudantes para os riscos da proliferação do Aedes aegypti. A Secretaria Municipal de Saúde também disponibiliza uma Sala de Estimulação Precoce, para crianças com microcefalia, situada no Centro de Saúde Paulo de Tarso, no Bairro Rodagem de Floriano.

“O município de Oeiras vem desenvolvendo suas ações, mantendo a vigilância com relação ao controle do vetor e aos casos de dengue, chikungunya e zika vírus. Realizamos ações de acordo com o que é preconizado no programa do Ministério da Saúde, contemplando todos os eixos: controle do vetor, vigilância epidemiológica, com as notificações e diagnósticos dos casos; e a educação e comunicação em saúde. Nesta reunião estamos discutindo toda a problemática desses agravos, mantendo a vigilância, no sentido de minimizar os riscos”, comenta o diretor administrativo da Semusa, Francisco Lemontier Martins.

Dados da Coordenação de Vigilância Epidemiológica, da Secretaria Municipal de Saúde, apontam que no ano de 2016, formam notificados no município 49 casos de dengue (07 confirmados), 12 de chikungunya (02 confirmados) e nenhum de zika. “É um trabalho árduo, que precisa ser compartilhado por todos os setores da sociedade”, diz Miguel Ribeiro, coordenador de Vigilância Epidemiológica, sobre o enfrentamento ao mosquito transmissor das doenças.

“Temos uma estrutura operacional muito boa, composta pela equipe de agentes de endemias, a Coordenação de Vigilância Epidemiológica e toda a Atenção Básica é preparada para receber esses casos”, conclui o diretor administrativo da Secretaria Municipal de Saúde.

O Comitê Municipal Intersetorial de Combate ao Aedes aegypti é composto por representantes da Secretaria Municipal de Saúde, Secretaria Municipal de Obras, Secretaria Municipal de Educação, Secretaria de Assistência Social, maternidades municipais, 8ª Gerência Regional de Saúde, Subseção de Oeiras da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), sociedade civil e movimentos sociais.

Share via

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *