Morre, aos 97 anos, Petinha Amorim, fundadora do grupo Bandolins de Oeiras

Morreu na tarde desta sexta-feira, 04, aos 97 anos, a musicista Petinha Amorim, uma das fundadoras do grupo Bandolins de Oeiras. Com a saúde debilitada por causa da idade, ela estava internada no Hospital Regional Deolindo Couto, onde veio à óbito.

A música permeou toda a vida de Petronila Rêgo Amorim.  O pai dela, João Rêgo, era flautista; a mãe, Hilda, exímia pianista. Pródiga instrumentista, Dona Petinha, como era conhecida, tocava violino, acordeom e bandolim, entre outros instrumentos. Quando jovem, foi professora de canto orfeônico e participou das orquestras conduzidas pelo grande músico Possidônio Queiroz. Fora da música, foi distribuidora e avaliadora do Tribunal de Justiça, na comarca de Oeiras.

Ao lado das companheiras, Lilásia Freitas, Rosário Lemos, Nieta Maranhão, Zezé Cabeceira e Celina Martins, Petinha Amorim formou o grupo Bandolins de Oeiras – criado por ocasião das comemorações dos 250 anos da Igreja Matriz de Nossa Senhora da Vitória.

Consagrado, o grupo acumula em sua carreira a gravação de um CD, apresentações pelo Brasil, em países como Argentina e Uruguai, e para personalidades como o ex-presidente Lula, ocasião em que recebeu do Ministro da Cultura, a Medalha de Ordem do Mérito Cultural. Junto com as senhoras do grupo, Petinha Amorim também participou de programas de repercussão nacional como o programa de Jô Soares, na TV Globo, em 2008.

Por sua trajetória musical, Petinha Amorim foi homenageada pelo Governo do Estado, que deu à escola de bandolins, mantida no Espaço Cultural Major Selemérico, o nome da bandolinista. Inaugurada há dois anos, a Escola de Bandolins Dona Petinha é uma das responsáveis pela manutenção da tradição musical oeirense. É lá que ensaiam e se aperfeiçoam os jovens integrantes do grupo Bandolins Mirins, composto pela nova geração de bandolinistas da cidade.

Autoridades e instituições culturais lamentam partida da bandolinista  

Em nota, o Governo do Estado do Piauí manifestou pesar pelo falecimento de Dona Petinha.”Exímia bandolinista piauiense, Dona Petinha prestou relevantes serviços à cultura popular do Piauí, por diversos anos, levando os bandolins de Oeiras a vários palcos e programas de televisão pelo país. Ela foi homenageada, ainda em vida, dando seu nome a Escola Estadual de Bandolins Dona Petinha, inaugurada em 2016, e que funciona no Sobrado Major Selemérico, em Oeiras. O velório acontece em sua residência. Neste momento de luto, o Governo do Estado do Piauí presta condolências aos familiares, amigos e à sociedade oeirense”, diz a nota.

O secretário municipal de Cultura, Stefano Ferreira, lamenta a perda e diz que Oeiras está triste com a morte da artista. “Amada pelo povo de sua terra, comparecia aos eventos religiosos e cívicos da Velha Capital do Paiui, chegando a tocar com bandolinista brasileiros das novas gerações, a exemplo de Hamilton de Holanda, por ocasião da I Festival de Cultura de Oeiras. Manifestamos nossos sinceros sentimentos de pesar à família, amigos e admiradores de seu trabalho, ao tempo em que a reconhecemos como uma das personalidades mais importantes da cena cultural de Oeiras. Oeiras hoje está triste Dona petinha! Descanse em paz!”, comenta.

O prefeito de Oeiras, José Raimundo, divulgou nota expressando pesar pela morte da musicista. “Oeiras perdeu hoje uma grande referência cultural. Artista de enorme talento, a musicista Petinha Amorim foi uma das fundadoras do grupo Bandolins de Oeiras, que levou o nome e a musicalidade da nossa cidade para todo o Brasil. Esse é um momento de luto e de lamento para todos os oeirenses, por isso, fazemos questão de levar nosso abraço solidário e pesaroso aos filhos, amigos e familiares desta grande mulher”, diz a nota assinada pelo prefeito.

O historiador Júnior Vianna, presidente do Instituto Histórico de Oeiras (IHO), diz em nota que Petinha Amorim é “uma das mais emblemáticas oeirenses de todos os tempos”. “Foi com muita tristeza que recebemos a notícia do falecimento de nossa estimada Petinha Amorim, notável musicista brasileira e uma das fundadoras do Instituto Histórico de Oeiras, ao lado de importantes figuras de nossa história. Conhecida pela sua essência musical, tão bem representou a nossa Oeiras para além de suas fronteiras geográficas, quando magnificamente integrou por mais de três décadas o sublime Grupo Bandolins de Oeiras. Dona Petinha parte para eternidade deixando aos seus conterrâneos, além de profunda saudade, o exemplo firme de mulher notável pela sua generosidade, receptividade e afeto para com as manifestações socioculturais da Velha Urbe. Jaz a matéria, para sempre viva em nossas memórias umas das mais emblemáticas oeirenses de todos os tempos”, declara em nota assinada em nome do IHO.

“É com muito pesar que Oeiras perde uma de suas filhas ilustre: Dona Petinha Amorim, aos 97 anos. Professora e Musicista Oeirense, conhecida internacionalmente, era uma das bandolinistas do Grupo Bandolins de Oeiras. Participava ativamente da vida cultural da Cidade. Dona Petinha se apresentou em diversos lugares do Brasil e recebeu do Ministro da Cultura, Gilberto Gil, a Medalha de Ordem do Mérito Cultural. Tive a honra de a entregar a medalha do Mérito Legislativo Oeiras 300 anos”, postou o deputado Bessah, em suas redes sociais.

O Instituto Barros de Ensino também emitiu pesar. “O Instituto Barros de Ensino – IBENS, se solidariza com a Família e comunidade enlutada por tão grande perda para a cultura de Oeiras e roga a Deus que acolha nossa preciosa estrela que agora acompanhará os anjos nas sinfonias celestes, brilhando no céu”, lamenta o IBENS.

“Lamento pelo falecimento de Dona Petinha. Mas sei que é festa no Céu. Solidário com a família e com a comunidade oeirense, uno-me a ambas pela oração e condolências. Repouso eterno dai-lhe, Senhor. Que a alma de dona Petinha pela Misericórdia de Deus descanse em paz”, lamenta Dom Juarez, ex-bispo da Diocese de Oeiras.

O Museu de Arte Sacra também manifestou pesar pelo falecimento da bandolinista. “O MAS se solidariza com a família e amigos pelo falecimento da musicista Petinha Amorim. E, nesse momento de tristeza, agradece a história construída e materializada em patrimônio e identidade oeirense”, diz o MAS, em nota.

“Deixa um legado que cuidamos com zelo em florescer e frutificar. No registro de 19 de novembro de 2016, tive o prazer de fundar ao seu lado a Escola Estadual de Bandolins Dona Petinha, mantida pela Secretaria de Estado de Cultura no Sobrado Major Selemerico de Oeiras. De lá para cá, a nova geração estudou e mantém viva a tradição do instrumento que imortalizou Oeiras para o mundo. Quem não lembra das senhorinhas da Primeira Capital sendo recebidas e homenageadas pelo então presidente Lula no Palácio do Planalto? Da participação no programa do Jô? Foram mais de 70 anos dedicados aos bandolins. Os frutos de Petinha vingaram com a Orquestra dos Novos Bandolins de Oeiras. No final do ano passado eles fizeram sua primeira turnê, percorrendo diversas casas de cultura do Piauí de Corrente à Parnaíba. Cuidaremos para manter acesa! Você é Luz, Petinha!”, postou deputado Fábio Novo, ex-secretário de Cultura do Estado do Piauí.

Jadson Osório

Repórter

2 Comments

  1. Meus sentimos a toda família lembro muito dela

  2. ESTE GRUPO FICOU NA HISTÓRIA DA NOSSA PRIMEIRA CAPITAL,PIAUÍ E BRASIL!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *