Justiça inocenta jovem oeirense acusado de estelionato e formação de quadrilha em Brasília-DF

A família do jovem oeirense Thiago Arinelson Monte, de 26 anos, filho do PM Edmilson de Sousa Monte e da professora e radialista Lúcia Vasconcelos conseguiu provar a sua inocência no caso em que era acusado de estelionato e formação de quadrilha, em Brasília – DF.

No dia 14 de julho de 2020 foi exibida uma matéria jornalística em rede nacional onde o delegado da região distrital de Guará – DF apontava Thiago como acusado  pelos crimes citados, sendo o mesmo supostamente reconhecido por Jéssica de Jesus, vítima de estelionato, no Distrito Federal. A partir de então, foram espalhados cartazes de procurado contra o mesmo e divulgada em rede nacional seu nome e imagem como criminoso foragido da justiça.

No entanto, no dia em que a vítima Jéssica de Jesus disse ter sido vítima de Thiago, ele se encontrava em Oeiras. Thiago morou em Brasília, mas já estava de volta a Oeiras há mais de um ano sem qualquer passagem por outros estados do Brasil, no mesmo período em que era acusado de estar na capital federal realizando os crimes citados. Os fatos foram provados através de vídeos caseiros, fotos pessoais e depoimentos de pessoas que foram ouvidas durante o processo, onde demonstraram que o jovem vivia em Oeiras e, finalmente, por uma retirada bancária feita presencialmente na boca do caixa, na agência da Caixa Econômica Federal, em Oeiras, no dia 01 de junho de 2020, dia em que era acusado da prática criminosa, no Distrito Federal. O saque foi feito às 12h40 e o crime do qual era acusado aconteceu às 18h30 do mesmo dia.

Em 14 de agosto de 2020, foi emitida e encaminhada à Oeiras um mandado de prisão preventiva que foi cumprido pela polícia local e após alguns dias, a determinação para que o mesmo fosse transferido para Brasília onde cumpriria sua pena. Sob a orientação de um escritório de advocacia, familiares se mobilizaram, reunindo o máximo de provas com o objetivo de comprovarem a inocência de Thiago.

O caso foi analisado e julgado pela juíza Drª. Delma Santos Ribeiro da região distrital de Guará – DF, que no dia 05 de outubro de 2020 ouviu Thiago, que apresentou as suas alegações, que foram acatadas pela juíza, o colocando em liberdade, por não ser encontrado nada que justificasse sua prisão e, finalmente, no dia 28 de dezembro de 2020 saiu a sentença definitiva de sua absolvição.

Fonte: Mural da Vila

Share via

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *